sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Tolices


Eu dizia coisas que não sei mais dizer.
Acreditava em sentimentos
Que hoje chamo de tolices.
Amava com um jeito absurdo e inocente.
Chorava quando era pra cantar.
Algumas coisas duras,
Guarda-se na memória
De forma inevitável
E viva, como um vídeo-teipe.
Eu queria como quer uma criança,
O doce da vitrine ou a boneca mais linda,
A felicidade inexistente.
Chorava de emoção ao ouvir
Uma canção de amor
E pensava na vida como quem pensa
Num bosque...
Vivia a primavera como quem faz um poema
E beijava como um beija-flor,
Sugando da vida o néctar.
Um barquinho visto de longe,
Era como uma embarcação
Cheia de sonhos.
Aí, a vida chega, o tempo passa
E o que resta da festa
É o que a ninguém basta.

(Ednar Andrade).
(03.08.2011).

Um comentário:

  1. Olá, Maria Eddnar

    Não sou poeta, mas gosto de poesia.
    Não sou misteriosa, mas gosto do Doce Mistério da Vida. Vez em quando, saio a passear e chego a algum lugar. Gostando, do que leio e vejo, me "instalo" e retorno. Se não, vou-me embora, sem deixar rastros...
    Portanto, vou retornar...porquanto, gostei da sua poesia...

    Um abraço,
    Lúcia

    ResponderExcluir